Kunene: precalços na terra do pó

Image

Era dia de encontro com o governador da província. Saímos cedo, a tempo de visitar escolas em Namakunde, na fronteira e voltar. Mas a estrada desapareceu e no lugar dela nasceu uma pista de terra e buracos ladeada por palácios de formigas mais altos que eu. Os atrasos do costume, o trânsito intenso e o tempo perdido na busca de gasolina para abastecer o jipe impediram-nos de tomar banho, lavar as gadelhas e mudar de roupa. Quando entramos, já atrasados, no edifício do governo provincial, pareciamos ter acabado de chegar de uma longa etapa do Paris-Dakar ou de uma cena do Mad Max. Tenho a certeza, que a cada movimento nosso, se desprendiam nuvens de pó. Os meus belos caracóis tinham dado lugar a rastas esbranquiçadas, os olhos, vermelhos, choravam, os espirros pontuavam as minhas frases e deitavam por terra a esperança de disfarçar o mau aspecto com o mais belo vocabulário luso. O governador ainda riu com a nossa tentativa de justificação mas quando a secretária entrou, impecável e perfumada no seu fato de bom corte e olhou para mim de alto abaixo estarrecida fiquei mortificada e naquele momento tinha dado tudo por um vestidinho e uns saltos altos.

NO QUÉNIA HÁ 1 ANO!

ERA UMA VEZ UMA GALINHA…

Ontem ofereceram-nos uma galinha. Uma senhora galinha, daquelas com penas, voz irritante e muita vida. Não estávamos a contar e a Jenny ficou excitadíssima porque aprendeu recentemente a matar galinhas e tinha pela frente mais uma oportunidade para praticar. Atiramos com a galinha para as traseiras do jipe e pelo caminho, por entre cacarejos nervosos de quem sabe que vai quinar brevemente e penas a esvoaçar íamo-nos rindo com os pormenores macabros e a descrição que ela fazia da nobre arte de matar galinhas.

Quando chegamos à parte da estrada que continua em picada cheia de buracos e solavancos, achamos estranho deixar de ouvir a bicha, mas continuamos a brincar com a ideia, agora, de ela ter dado com cabeça no tejadilho e desmaiado.

Qual a nossa surpresa quando chegamos a casa, abrimos a mala do jipe e vemos a galinha, morta, por baixo de um cacho de bananas que também transportávamos.

Isto é macabro eu sei, mas temos de nos rir das desgraças. A parte mais hilariante foi ver a Jenny olhar para a galinha, infelicíssima e a dizer que não devíamos come-la sem fazer uma autópsia e determinar a causa da morte.

A parte seguinte de arrancar penas e preparar a bicha eu já não assisti e também não como carne, por isso não provei a iguaria. Mas é muita falta de sorte, perder assim uma oportunidade de praticar a matança da galinha.

ENCONTROS

A diversidade de personagens que cruzam o meu caminho não deixa de me surpreender. E é extremamente útil porque funcionam como uma espécie de disjuntor cerebral quando caio na tentação de olhar os outros com os meus óculos de ver o mundo, que dispara e faz shut down às minhas generalizações e aos meus preconceitos.

Um tipo mal encarado e com pinta de Mafioso russo (de quem eu tentava fugir a sete pés) revela-se um artista francês, viajante e conhecedor do mundo… e da história de Portugal (com excepção daquela parte em que ele teimava comigo que foi o Vasco da Gama que descobriu o Brasil). Uma mulher simples que me parecia pobre e ignorante, revela-se uma verdadeira força da natureza e directora de uma escola, viúva e a fazer malabarismos com a vida para manter 3 filhas na Universidade e ainda por cima era senhora de uma cultura geral brilhante. Um condutor de tuk tuk, dono de um jeito gingão e ar de malandro revela-se um poeta e um espírito curioso (segundo as suas próprias palavras “eu nunca saí de Kisumu e passo umas 15h por dia a conduzir este carro mas conheço o mundo inteiro através das pessoas que se sentam aí atrás”) que me pergunta mil e uma coisas até chegarmos ao meu destino e que até já me fez explicar-lhe no meio do trânsito, com laranjas, como funciona o movimento da terra porque não entendia porque é que no Norte do mundo o Sol demorava mais a pôr-se e havia mais horas de luz em certas alturas do ano.

Ninguém é o que parece, ou pelo menos, ninguém é só o que parece e eu estou em crer que este disjuntor devia ser implantado em toda a gente. Se é verdade que todos temos tendência a fazer generalizações e que ninguém está livre de preconceitos, ao menos que tenhamos um sistema de alerta integrado para podermos reformular, reaprender e reolhar os outros. E isto acontece também no sentido inverso, obviamente. A maioria das pessoas que me vai conhecendo por cá pensa que todos os Portugueses são adeptos de futebol, liberais, opinativos, bem dispostos, pouco amigos das manhãs… simpáticos (porque só me conhecem a mim) e que Portugal é o lugar mais interessante do mundo (vários manifestam vontade de imigrar para lá, um dos meus taxistas favoritos quer que a filha vá para lá estudar, enfim se eles soubessem…). E assim vamos perigosamente construindo as imagens que temos uns dos outros sem mecanismos de alerta que nos ajudem a ver e a apreciar a singularidade.

E depois faz-me confusão, num mundo extraordinariamente diverso e rico haver quem queira viver num mundo só com uma cor, uma língua, uma religião, uma forma de estar, um pensamento único. Nunca ninguém lhes ensinou que os ecossistemas são mais resistentes e adaptáveis quanto maior a diversidade que integram? E é muito difícil vivermos todos juntos, sem dúvida, mas a alternativa…. Não me parece um lugar minimamente interessante e capaz de me vai tornar numa pessoa melhor.

Não me lembro do dia em que morri

“Lá está ele outra vez. Mas de onde saiu aquele miúdo que agora passa os dias nesta terra de ninguém? Meu Deus! Será que há mais crianças lá do sítio de onde ele vem? E se um dia me aparecem todas por cá… Tenho de ter muito cuidado, não me podem ver aqui. Era só o que me faltava agora ter de me esconder deles e não poder andar por onde quero. Mas há tanto tempo que não via nenhum. Ele até é engraçado, tem ar de reguila e tem uma genica! Gosto de o ver a descer a encosta, parece que voa em cima da bicicleta e depois quando chega ao riacho faz aquela habilidade de parar de repente e virar a bicicleta de lado… ehehehehe levanta tanta poeira que até deixo de o ver e depois larga tudo e atira-se ao riacho. Mas tenho de ter cuidado para ele não me ver. Até pode morrer de susto, sei lá! O melhor é eu ter cuidado… Ele está a cantar! Desafinado, que até faz doer os ouvidos… já nem me lembro da última vez que ouvi um deles. E se eu me aproximasse devagarinho? … E tentasse falar com ele? Nem sei se ainda sou capaz de falar. E será que eles me veem mesmo? … É melhor parar com estes disparates e ficar sossegada no meu canto, longe do miúdo.”

– João! Anda para casa que o jantar já está pronto! – gritou a mãe, junto ao alpendre.
E repetiu o nome dele vezes sem conta, como acontecia quase sempre quando iam para a casa de campo.
– Já vou mãe, estou quase a chegar! – gritou o João ao longe, ofegante, a subir a encosta de bicicleta.
– Vai lavar as mãos e anda para a mesa, que está tudo a arrefecer – disse-lhe a mãe num tom reprovador, entrando em casa.
– Olá pai, mãe… que cheirinho, estou cheio de fome – disse o João enquanto distribuía beijos e se sentava.
– Tens de me explicar por onde é que tu andas todo o dia quando estamos aqui? É que ninguém te põe a vista em cima … – afirmou o pai curioso.
– Ando a fazer o reconhecimento geográfico e a descobrir a região. Há duas aldeias abandonadas aqui perto, algumas casas em ruínas espalhadas pelos montes, um riacho com quedas de água e uma piscina natural ao fundo da encosta… – respondeu o João muito sério.
– Ó filho, mas não gosto que andes por aí sozinho tantas horas, podes perder-te, ou pode acontecer-te alguma coisa e depois ficamos aflitos – afirmou a mãe preocupada.
– Não há ninguém nas redondezas para me fazer mal. Vocês queriam uma casa de fim-de-semana num lugar sossegado, não queriam? – respondeu o João com alguma ironia.
– Ele tem razão Fátima! Aqui não há vivalma e ele pode andar por onde quiser à vontade. Além do mais nós não conseguimos convencer os irmãos mais velhos a vir para cá ao fim-de-semana por isso o João tem de se entreter de alguma maneira – disse o pai condescendente.
– Eu sei que tens razão, mas fico sempre preocupada. Que querem? Ainda por cima sempre que vou à vila fazer compras e digo às pessoas que estamos na Casa das Glicínias, ficam a olhar para mim muito surpreendidas e dizem sempre a mesma coisa “Ai valha-me Deus minha senhora, e não tem medo de estar lá para em baixo sozinha?”, “Credo, ali não há vivalma, se lhes acontece alguma coisa ninguém vos socorre”…
– Ó mulher pára lá com isso que ainda assustas o miúdo – interrompeu o pai, preocupado -, já sabemos que o povo da vila acha estranho nós termos comprado esta casa, mas nós estamos muito bem aqui, não é verdade?
– Eu sei Carlos, mas não consigo deixar de ficar inquieta de cada vez que vou à vila. Ainda ontem na mercearia me contaram uma história sem pés nem cabeça mas que me deixou preocupada; dizem que a aldeia do Fundo da Serra está assombrada, que algumas pessoas já viram o fantasma de uma mulher por lá e que os pastores contam histórias muito estranhas que se passam lá para aquelas bandas – disse a mãe.
– Não é verdade, mãe! Eu vou lá muitas vezes e nunca vi nada esquisito. É no Fundo da Serra que tem a piscina natural, mesmo perto da aldeia, ainda hoje lá estive. Lá só há pedras, mata e o riacho – disse o João tentando serenar a mãe.
– Que disparate Fátima. Andas a dar ouvidos às crendices desta gente? Nem parece teu.
– Pronto, pronto, já cá não está quem falou, só repeti o que me contaram – disse a mãe mudando logo a seguir de assunto.

“Hoje estás a demorar muito rapazinho. Já estou cansada de estar aqui sentada, escondida à tua espera. Agora custa-me mais a passar os dias porque fico à espera que apareças. Acho que não devia sentir estas coisas. As criaturas como eu não deviam sentir nada mas eu tenho cada vez mais vontade de ir falar com ele. De quebrar o ritmo dos meus dias, de passar a fronteira entre os vivos e os mortos e ir falar com aquele rapazinho cheio de vida. Não posso! As pessoas têm medo dos fantasmas, o miúdo pode sentir-se mal com o susto. Não, tenho de ficar bem escondida e sossegada!… Aí vem ele a toda a velocidade pela encosta abaixo… ai meu Deus… ele caiu e bateu com a cabeça nas pedras!… Vá, levanta-se menino. Levanta-te, sacode a poeira e vai dar o teu mergulho… Ele não se mexe. Está ali estendido no chão sem se mexer. O que é que eu faço? Vou aproximar-me para o ver melhor… mas sem ele me ver. Mas ele está desacordado… será que ainda está vivo? Visto assim de mais perto parece que está a dormir e parece mais novinho do que eu pensava…. Mas o que é que eu sei de crianças? Nada! Nunca tive filhos e já não via nenhuma há tantos anos que até me tinha esquecido que existiam. Acorda menino! O que é que eu faço? Eu que estou no reino dos mortos! Vou aproximar-me ainda mais… com muito cuidado… ui, ele está a sangrar da testa e tem os braços esmurrados… Vou lá! Ele não há-de acordar já. Deixa-me ajoelhar aqui deste lado…. Devagarinho… será que lhe posso tocar? (suspirou) Ai, tantas coisas que eu não sei sobre esta minha nova condição! Quando estamos vivos é tudo mais fácil, sabemos o que fazer, as pessoas reconhecem-nos e não fogem de nós. Vivemos em função dos outros. Somos fulana de tal, filha de fulano de tal, mulher de alguém, irmã de alguém, amiga de alguém, inimiga de alguém, amada ou desprezada por alguém… Mas agora não sei o que fazer. E ele não acorda… Se o rapazinho morresse podia fazer-me companhia, ficávamos com a mesma condição e eu já podia falar com ele sem ele se assustar… que disparate! O que estou eu para aqui a pensar? Um rapazinho com tanta vida não pode morrer assim. Vou tocar-lhe!.. Ai, tem o corpo quente e suado… está vivo. E se eu tentar chamar por ele? Será que ainda consigo falar? Ou será que ele consegue ouvir os mortos?”
– Rrrrapazzzzinho, acorda! – disse a mulher com esforço e hesitante. – Acorda vá, abre os olhos – continuou ela enquanto o abanava devagarinho.

O João sentia a cabeça a andar à roda e uma dor intensa sobre o olho esquerdo. Tentava abrir os olhos mas não era capaz e ouvia alguém a chamá-lo ao longe. Tentou concentrar-se naquela voz estranha que o mandava acordar e tentou abrir os olhos novamente. No início sentiu-se ofuscado pela luz do dia, via tudo desfocado, depois, aos poucos começou a sentir-se melhor. Lentamente virou a cabeça para o lado direito e foi então que a viu, ajoelhada ao lado dele, com as mãos cruzadas sobre o colo, a olhá-lo angustiada. Era uma mulher pequenina, miudinha, muito frágil. Era impossível adivinhar-lhe a idade. Podia ter oitenta anos, podia ter cem anos, podia ter mais ainda. O João nunca tinha visto uma mulher tão velha. Ele ainda estava um pouco tonto mas não conseguia afastar os olhos dela. O rosto coberto de rugas profundas, a pele manchada, os olhos brilhantes e serenos a sobressair do rosto miúdo. E o cabelo, todo branco, enorme a cair-lhe ondulado sobre as costas. O João começou a sentir-se melhor e deu-lhe a mão.

– Acho que torci o tornozelo, a senhora ajuda-me a levantar? – perguntou ele.
A mulher olhou-o perplexa, quase sem acreditar no que acabava de ouvir.
– Tu não tens medo de mim rapazinho? – perguntou a mulher, intrigada, com um ar quase assustado.
– Medo?! Da senhora? Não, porquê? – afirmou o João com estranheza.
A mulher ajudou-o a sentar-se e olhou muito fixamente para ele. Depois afagou-lhe suavemente o cabelo, tocou-lhe na testa e disse-lhe com um ar muito sério e triste:
– Rapazinho, eu acho que tu morreste quando caíste da bicicleta. Agora estás do outro lado da vida como eu, passaste para o mundo dos mortos, por isso é que não tens medo mim.
O João, segurou com mais força na mão da mulher e pôs-se em pé. A custo cambaleou até uma pedra e sentou-se lá a olhar incrédulo para aquela figura pequenina que lhe falava da vida e da morte.
– Eu estou bem vivo, dói-me o corpo todo e a senhora também está bem viva aqui ao pé de mim. Onde é que mora? – afirmou o João muito seguro de si.
A mulher, muito velha, com aqueles longos cabelos brancos a esvoaçar ao vento parecia um pouco louca, mas os olhos brilhantes e serenos tranquilizavam o João e transmitiam-lhe afecto.
– Eu morava naquela casinha em ruínas que tem a varanda de madeira no primeiro andar. Morei lá sempre. Era a casa mais bonita da aldeia. Lembro-me que a minha mãe punha vasos de sardinheiras em todas as janelas, na varanda e ao longo das escadas e a casa ficava tão linda, tão colorida. E tínhamos árvores de fruta na leira e eu e as minhas irmãs brincávamos por lá despreocupadas. Éramos tão felizes! O meu pai era da Guarda. Era muito respeitado na aldeia. E a minha mãe gostava de nos aperaltar a todos, ao domingo para irmos à missa à vila… – contava a mulher com um ar sonhador, ausente.
– Mas o que aconteceu quando as pessoas foram embora? A senhora ficou aqui sozinha? – perguntou o João curioso.
A mulher olhou para ele intrigada.
“Este rapazinho faz perguntas muito difíceis… eu já morri há tanto tempo, que já só me lembro dos dias felizes… e ele não acredita que está morto. Valha-me Deus… o que hei-de fazer?”
– Eu não me lembro do dia em que morri, já passou muito tempo – disse a mulher -, acho que primeiro foi o meu irmão que imigrou, depois as minhas irmãs casaram e partiram… os meus pais morreram também, depois morreu a minha irmã Maria, depois morreu a Lurdes… morreram todos.
O João ouvia-a atentamente quando começou a sentir tonturas novamente. Deixou o corpo escorregar para o chão e ficou encostado à pedra. Fechou os olhos e adormeceu a ouvir a mulher contar aquela história.

“Ele continua desacordado. E já é quase de noite… Será que o rapazinho adormeceu para a vida lhe voltar ao corpo? Que barulho é este? Estou a ouvir gente a gritar… devem andar à procura dele. Vou continuar aqui escondida, não volto para lá que ainda me veem. Desçam, ele está aqui, isso, continuem a descer… Ah! Lá estão eles; três homens com candeias para alumiar o lusco fusco. Já o viram! Aquele deve ser o pai dele, está a chorar a tentar acordá-lo. O rapazinho acordou e está a abraçar o pai. Eu sabia! Eu sabia que ele ia voltar à vida. Ainda bem que me afastei, senão aqueles homens ainda tinham fugido de mim e largavam para ali o miúdo a pensar que estava morto. Ai, mas foi tão bom hoje… ainda bem que ele morreu só durante um bocadinho e pôde falar comigo.”

História com história

Corria o ano de 1984, em plena guerra fria, quando eu, então com 14 aninhos, no auge do meu período punk, grande admiradora do Carl Sagan, do Isac Asimov e de ficção científica escrevi esta história. Descobri há dias, durante uma crise de fada do lar, enquanto revirava a minha sala num frenesim de limpeza, uma pasta com as minhas histórias da adolescência. Foi um momento raro e empolgante, foi uma espécie de arqueologia da memória. E perante a dificuldade de terminar um novo conto, nesta fase de muito trabalho, achei por bem partilhar uma dessas histórias, escrita para um concurso de Português, no 8º ano e com o tema obrigatório “Um dia na vida de um jovem do ano 2020”.
Espero que se divirtam, como eu me diverti quando a encontrei, com a minha percepção do futuro há vinte anos atrás. E até breve, que vêm novas histórias a caminho :).

O dia estava quente e nem parecia que as aulas iam recomeçar daí a pouco mais de duas semanas. A Cati acabava de chegar do acampamento de férias. Decididamente não tinham sido as melhores férias que já passara. Depois de introduzir no computador da escola os dados sobre o que queria encontrar nas férias, este decidiu que ela iria para as selvas protegidas da América do Sul e claro, foi sozinha que mais ninguém teve resultados tão estranhos.
Agora, de regresso à cidade, a Cati sentia-me bastante mais feliz pois já estava com saudades, sobretudo dos amigos. Mal saiu do túnel de chegada dirigiu-se para casa e ao chegar viu-se obrigada a ligar a caixa de comunicação para pedir ao pai que lhe abrisse a porta.
– Olá pai! Desculpa mas o meu cartão automático perdeu a validade. Está tudo bem cá em casa? A mãe está?
– A tua mãe hoje chega mais tarde. Está a trabalhar num projecto novo. Que tal as férias? Melhores que as do ano passado? – perguntou.
– Nem por isso. Francamente até se tornaram aborrecidas – queixou-se.
– Isso é mesmo de ti. Desde os 5 anos que nunca gostas das férias.
– Há alguma coisa para comer? – perguntou a Cati.
– Pede ao novo robot. Chama-se Niki. Tenho de me ir embora, vê se encontras alguns amigos. Até logo!
– Olá Niki – disse a Cati para o novo robot. – Quero que me prepares um gelado enorme e delicioso, o melhor que souberes fazer.
– Não posso, a tua mãe pediu dieta para ti – disse o Niki muito sério.
A Cati riu-se, entusiasmada e sentiu-se bem por estar de volta a casa. Mas apetecia-lhe mesmo comer gelado e por isso saiu.

Estava sentada na mesa do café quando viu um grupo de amigos a aproximar-se.
– Cati, que surpresa, não sabia que já estavas de volta – disse a Vanda.
Falaram durante todo o almoço das férias e dos planos que tinham para o ano seguinte. Mais tarde o Ivo sugeriu que fossem a casa dele para experimentar o novo computador da amizade. Quando chegaram identificaram-se e entraram e ele levou-os logo ao quarto.
– Aqui está a pequena maravilha – disse o Ivo apontando para o computador.
– Quem quer experimentar primeiro? – perguntou.
– Eu – disse a Cati rapidamente.
– Ok, tens de preencher este questionário e depois esperar o resultado.
Alguns segundos depois apareceram os resultados.

Jovem 17 anos
Sexo masculino
Residência – base espacial 16
Código para comunicar: GLB46

Depois de observar os dados a Cati começou a rir.
– Realmente a mim só me acontecem coisas incríveis, primeiro foram as férias na selva e agora um amigo que mora numa base espacial.
– Liga depressa para a base espacial que também quero conhecer esse teu amigo – disse a Vanda.
Depois de escrever o código, a Cati esperou alguns momentos até que apareceu uma imagem no ecran e ouviu-se:
– Olá! Eu sou o Ian e gostava de conhecer-te melhor. Queres vir até á base espacial 16?
– Sim, claro, quero muito. Mas posso levar alguns amigos?
– Sim, não há problema nenhuma. Têm é de apresentar na Estação 4 o meu número de código por questões de segurança. Sem ele não podem passar o campo de forças que protege a base de intrusos. Aqui vai O3TL962. Até logo!
A imagem desapareceu do ecran. Estavam todos muito entusiasmados pois nunca nenhum deles tinha visitado uma base espacial. Avisaram os pais que não dormiam em casa, com a desculpa de ficarem em casa uns dos outros e partiram.
– Vamos depressa para apanharmos a nave de passageiros das 3 da tarde – disse o Ivo.
Já dentro da nave e quase a chegar à base 16 o grupo de amigos estava fascinado. A Base ficava muito mais longe do que eles imaginavam. Fica próxima da primeira Lua de Júpiter e eles nunca tinham feito uma viagem tão longa. A nave demorou duas imensas horas a chegar mas finalmente os amigos sentiram os bancos moverem-se em direcção a um tunel iluminado. Chegaram ao fim e pararam pois qualquer coisa os impedia de continuar e então o Bruno lembrou-se do código para passar o campo de forças. Inseriram o código e foram levados até uma sala onde o Ian os esperava. Ele também tinha trazido alguns amigos para que todos se conhecessem. Decidiram separar-se aos pares e encontrar-se no angar de partida mais tarde.
Distraidamente, enquanto o Ian lhe mostrava a base espacial, a Cati observava-o. Era alto e forte, tinha os olhos grandes e expressivos de um castanho muito claro, quase dourado e o cabelo levemente encaraclado no mesmo tom dos olhos e o sorriso mais lindo que ela já vira.
Entretanto ele pegou-lhe na mão e levou-a para um bar.
– Vamos parar aqui para beber qualquer coisa. Aposto que não ouviste uma palavra do que eu disse, em que estavas a pensar? – disse ele a rir.
Atrapalhada, a Cati disse-lhe qu estava apenas fascinada com tudo aquilo pois era muito diferente da Terra.
– E então o que achas da vida aqui? – perguntou o Ian.
– Sei lá! Conheço muito pouco a vida nas bases espaciais. Lá na Terra as pessoas preocupam-se sobretudo com a recuperação da natureza e não temos muita informação sobre o que se passa fora. Mas explica-me tu. Aliás, eu nem sei bem o que aconteceu antes das bases espaciais.
– Ok, mas é uma história comprida, se te aborrecer diz que eu paro. Tudo começou em 1996 quando os Estados Unidos resolveram construir uma base espacial em órbita da Lua. Teoricamente o objectivo seria a investigação científica, no entanto, escondido da população terrestre construiram 3 bases espaciais para refúgio de um grupo de pessoas selecionado em caso de guerra nuclear. Acidentalmente a farsa foi descoberta por um satélite de espionagem da URSS. Pensando tratar-se de bases militares no espaço este país ataca algumas, aparentemente sem qualquer motivo e sem aviso. Repentinamente as pessoas veem-se no meio de uma guerra mundial. Então, um grupo de pessoas conseguiu apoderar-se das bases espaciais e levaram-nas para longe da Terra na esperança de salvar a espécie humana. Quando a guerra acabou quase todo o planeta estava destruído.
– É incrível como as pessoas se deixaram levar a esse ponto – disse a Cati.
– É verdade, mas felizmente nem tudo estava perdido, pois nessa altura a população sobrevivente organizou um governo comunitário e começou a recuperar a Terra. Já alguma vez viste fotografias da Terra antes da guerra?
– Já – disse a Cati. – Os meus pais mostram-me muitas vezes. Têm muita pena de a nossa geração nunca ter visto aquelas paisagens maravilhosas e acho que todos os adultos se sentem culpados por isso.
– Mas continuando – disse o Ian – o pequeno grupo que tinha partido com as bases espaciais voltou e ajudou muito a população terrestre. No entanto, pouco a pouco foram-se afastando e foi crescendo uma barreira entre os que tinham partido e os que tinham ficado. O resto tu já sabes: o governo construiu cidades e selvas protegidas por campos de força que dentro de pouco tempo serão retirados pois a tecnologia criada para limpar a atmosfera está a ter resultados incríveis. Aqui em cima e apesar de continuarmos ligados à Terra, achamos que já não somos precisos e dedicamo-nos sobretudo à pesquisa científica.
– Estou fascinada – disse a Cati. – As coisas que tu sabes! Nunca imaginei a história dessa maneira. O meu computador de ensino torna tudo mais difícil, por isso nunca passei do primeiro grau em História.
– Se quiseres faço-te um programa novo, mais interessante.
– A sério?! És um génio.
– Bem… vamos continuar a ver a base? – perguntou o Ian.
– Vamos claro! Tu és o melhor guia do mundo.
Continuaram então a visita e Ian mostrou-lhe tudo, desde a sua casa, até à torre de controlo e aos espaços de lazer. E no final, conduziu a Cati através de um corredor enorme, até uma porta enorme que se abriu automáticamente.
– Isto é uma surpresa para ti – disse o Ian.
– Esta é uma espécie de sala de recordações. Os nossos pais quando deixaram a Terra trouxeram com eles tudo o que puderam para recordarem sempre a sua beleza. Estão aqui fotografias, filmes, animais e plantas de todos os lugares do planeta.
– Ian, nem sei o que dizer. Estou fascinada e vou voltar cá mais vezes de certeza.
O Ian sorriu com carinho e disse:
– Acho que vamos ser muito bons amigos. E agora que tal voltarmos que já devem estar à nossa espera?
Correram para o angar, despediram-se uns dos outros e partiram de regresso a casa. Estavam todos muito entusiasmados e falavam ao mesmo tempo.
Chegaram ao Porto muito tarde, partiram a toda a velocidade no passeio magnético e chegaram o mais depressa que puderam.
A Cati chegou a casa, identificou-see entrou. Lá estavam os pais mais um grupo de amigos que falavam alegremente das suas férias. Ela disse que tinha estado em casa da Vanda e que já tinham decidido onde queriam passar as férias do Natal, independentemente do que o computador da escola decidisse.
– Esta minha filha nunca pára de fazer planos – disse a mãe a brincar. – E então para onde é que vocês querem ir?
– Para a Base Espacial 16 – disse ela decidida enquanto todos à sua volta a olhavam surpreendidos. – Mas agora vou dormir que estou muito cansada. Até amanhã!

A Casa dos Relógios III

(terceira e última parte do conto que começa no post de 08.01)

Através da porta entreaberta, podia ver-se a árvore de Natal enfeitada, o presépio, as crianças a abrir os presentes embrulhados com papéis e fitas delicadas, Afonso sentado numa cadeira a ler o jornal e Carolina, sentada no chão, no meio dos filhos a rir como uma criança.
– Olha! Repara no relógio da parede – disse o Simão baixinho puxando o braço de Helena.
Ela olhou para o relógio de cuco, onde faltava menos de um minuto para as oito da manhã e olhou para o mesmo relógio, amparado entre os braços pequenos do Simão e voltou a olhar para a cena familiar à sua frente. Aí, podia ver Simão entusiasmado, a tentar desembrulhar um presente enorme com a ajuda da mãe, onde se via emergir a cabeça de um simpático cavalo de madeira colorido. Então… ecoou por toda a casa o cuco repetitivo do relógio a marcar a hora certa. Olhou rapidamente para o relógio que o Simão segurava ao seu lado, que marcava oito horas em ponto, e viu o rostinho dele hipnotizado… e quando voltou a olhar para a sala viu-a vazia, decadente, sem vida.
– Já acabou! – disse o Simão muito triste. – Mas vês como funciona a magia? Eu posso voltar a ver os meus pais, os meus irmãos, os meus dias mais felizes…
– Podes voltar ao tempo marcado nos relógios todos? – perguntou Helena assombrada.
– Não! Há relógios que não funcionam comigo. Não acontece nada quando pego neles. Não percebo porquê e não me lembro de a colecção do meu pai ser tão grande – explicou ele taciturno. – Mas posso voltar sempre para junto dos meus irmãos, ver a minha mãe… viste como ela é bonita? Nunca me canso de os visitar.
Helena pegou-lhe na mão e correu para a sala dos relógios.
– Qual é o relógio que mais gostas e que não funciona contigo, Simão? – perguntou Helena.
– Não está aqui. É o Velho Mudo que o tem – respondeu prontamente o Simão, arrastando-a para fora da sala.
Pararam em frente à escultura do Velho, muito velho, com ar triste e um relógio enorme nas mãos e ficaram ambos a olhar aquela imagem na parede.
– Ele também sai da parede como tu? – perguntou a Helena sem desviar o olhar.
– Só quando eu lhe tiro o relógio. E olha que não é fácil que ele agarra-o com muita força… mas depois como o relógio não tem magia ele acaba por o levar outra vez e voltar ao seu lugar. Tenta tu – incentivou o Simão.
Helena hesitou. A figura daquele homem provocava-lhe sentimentos contraditórios de ansiedade e profunda tristeza. O coração parecia que ia saltar-lhe do peito, enfurecido, a respiração era-lhe difícil mas mesmo assim, ela estendeu as mãos trémulas para o relógio que o Velho segurava. Quase morreu de susto quando uma mão lhe segurou firmemente o pulso afastando-a do seu objectivo. Helena podia sentir a pele seca, sem vida, as mãos ossudas que lhe magoavam o pulso e quando levantou os olhos para o rosto do Velho, que a aprisionava, viu-o fitá-la com um olhar inquiridor. Era como se não entendesse porque motivo o seu relógio podia suscitar tanta cobiça e ao mesmo tempo como se se interrogasse porque não o deixavam em paz, sozinho. Helena puxou o braço para se soltar, assustada e quando conseguiu viu o pulso vermelho e olhou para o Simão.
– É preciso lutar com ele! Fazer muita força para lhe tirar o relógio – afirmou ele conhecedor.
– Simão, este relógio não nos pertence por isso não devemos insistir – explicou a Helena.
– Mas esta casa é minha! Não é justo! – choramingou.
Entretanto, o Simão ficou muito calado, a escutar. A Helena começou também a ouvir o som dos violinos ao longe.
– Tenho de ir! – disse ele sorridente e a começar a correr. – Vou ver a festa com os meus irmãos. Não digas a ninguém! É um segredo nosso.
Helena ficou sozinha na sala azul e sentiu um arrepio. Era incapaz de racionalizar os últimos acontecimentos. Mas também era incapaz de ir embora. Tinha a alma cheia de perguntas e a tempestade continuava intensa lá fora.
Ficou a olhar para a figura do Velho, na parede. Depois voltou para a sala dos relógios. Abriu as gavetas e portas dos armários com delicadeza, ciente de estar a invadir um espaço alheio mas incapaz de conter a curiosidade. De repente, por trás de alguns livros da estante apercebeu-se de um fundo falso. Esticou a mão e retirou alguns documentos. Aproximou-os do candeeiro e leu-os atentamente.
“Declarações de dívida de Afonso Bandeira para com Diogo Cunha… os dois homens que eu vi aqui… meu Deus, uma fortuna, mesmo em… 1926”, pensou Helena enquanto perscrutava os documentos. “E uma hipoteca da casa, também, em favor de Diogo Cunha!”
Helena voltou a meter a mão no fundo falso. Tacteou toda a superfície e num canto, difícil de alcançar, sentiu qualquer coisa metálica. Esticou-se o mais possível e conseguiu agarrar no objecto. Era outro relógio de bolso, pequeno, delicado, que marcava 4h47. Helena apertou-o nas mãos e sentiu-se flutuar como se a gravidade tivesse confundido a física e decidido ausentar-se naquele momento.
Num ápice, o Sol brilhava intensamente à sua volta e Helena deu si no jardim da casa. Ouviu vozes a sussurrar. Olhou em volta angustiada. Ao fundo, junto ao lago, longe do alcance da casa podia distinguir dois vultos. O relógio que trazia nas mãos marcava 4h40. Correu por entre as sebes e arbustos simétricos tentando não fazer barulho e não dar nas vistas. Conforme se ia aproximando podia distinguir claramente os dois vultos. Eram Diogo e Carolina, muito próximos, muito íntimos. Ele a acariciar-lhe o rosto. Ela a segurar a cesta de flores e a aconchegar o rosto na mão dele.
– Não consigo passar nem mais um dia sem ti, meu amor – ouviu Helena .
– Diogo, eu amei-te e vou amar-te sempre mas não posso abandonar os meus filhos e ele nunca os vai deixar ir connosco – disse Carolina.
– Carolina, está tudo planeado. Vamos fugir hoje! É a festa de fim de ano, vai haver uma enorme agitação na casa. Tu e as crianças vão comigo para o Brasil e vamos ser felizes, finalmente!
– Meu amor, como és ingénuo. O Afonso nunca nos vai perdoar e vai perseguir-nos até ao fim do mundo se assim tiver de ser – disse Carolina infeliz aconchegando-se no abraço do amante. – Não é por me amar, nem pelas crianças… mas o orgulho… vamos feri-lo de morte.
– Sossega e confia em mim. Ele não vai ter recursos para ir atrás de nós. Eu passei os últimos anos a planear este dia e não deixei nada ao acaso. Eu sonho contigo Carolina, desde criança e vivi apenas para conseguir conquistar-te e dar-te tudo o que tu mereces – sussurrou Diogo, abraçando-a emocionado. – Logo quando todos festejarem o Ano Novo nós partimos. Preparei uma surpresa especial para a noite de hoje que vai monopolizar a atenção de toda a gente.
– Eu confio em ti, meu amor! E beijaram-se apaixonadamente, felizes, sem urgência, como quem tem a vida inteira para saborear os lábios do outro.
Nesse preciso momento, Helena sentiu-se levitar novamente, olhou para o relógio e este, parado, marcava 4h47. Deu por si novamente na sala dos relógios, com um sentimento de angústia inexplicável. Voltou a guardar tudo no fundo falso e a colocar os livros na prateleira e saiu. Na sala azul parou em frente ao Velho. Podia ver claramente uma lágrima escorrer-lhe pela face de mármore.
Entretanto a música soava mais alto, o burburinho de pessoas a falar e a rir também e Helena, num impulso correu para o corredor e atravessou a casa até chegar às escadas.
A festa decorria no salão de baile, em baixo. Do outro lado da escadaria, ela viu o Simão com os irmãos escondidos, a rir, a olhar para baixo. Helena olhou bem para a escadaria. Queria descer mas tinha medo de ser vista e tentava perceber que lanço de escadas a levaria para perto daqueles cortinados de veludo, ao fundo, onde ela se podia esconder. Quando parecia que ninguém estava a ver, correu pelas escadas abaixo e deu por si, ao contrário do que pensara, precisamente na entrada do salão. Escondeu-se rapidamente atrás de uma coluna enorme.
Foi então que viu em cima, Carolina a correr, a agarrar nas crianças enquanto as repreendia e a atravessar o corredor. E em baixo, um homem, que saía de detrás dos cortinados de veludo, do outro lado do hall, e atirava qualquer coisa para debaixo das escadas. Antes que pudesse pensar no que estava a acontecer Helena ouviu um estrondo ensurdecedor e viu a escadaria a explodir juntamente com parte do primeiro andar. Ela encolheu-se atrás da coluna, em pânico, com as mãos a cobrir a cabeça, rodeada de gritos, de ruído de coisas a partir e ficou assim, sem se mexer, sem abrir os olhos, por muito tempo. A última coisa que tinha visto tinha sido Carolina e as crianças a cair do primeiro andar, projectadas pela violência da explosão.
Aos poucos Helena sentiu tudo a acalmar à sua volta. Lentamente abriu os olhos e ergueu-se. Quando saiu detrás da coluna viu a casa exactamente como estava no momento em que lá entrou. Olhava incrédula a toda a volta e não via indícios do que tinha presenciado.
Sentou-se nas escadas, a olhar para tudo e a repensar os últimos acontecimentos. Depois ouviu um ligeiro ruído vindo dos cortinados, olhou e viu sair devagarinho, o Velho, muito velho, agarrado ao seu relógio.
– Você?… aqui?… pensei que não… – gaguejou Helena.
– Eu venho aqui todos os dias, ou todas as horas, já nem sei quantas vezes revivo este momento – murmurou o homem com visível dificuldade em falar e mover-se.
– Quem é você? – perguntou Helena sem resistir à curiosidade.
– Sou um assassino, imoral, condenado a viver nas trevas da minha memória para toda a eternidade. O meu nome é Diogo Cunha – disse o Velho sem emoção.
– Eles morreram…? – perguntou Helena.
– Sim e com eles perdi a minha vida também.
– Você também morreu na explosão?
– Não! Eu sobrevivi para morrer de dor todos os dias e horas da minha vida até ao meu último suspiro.
– E os relógios? E as crianças? O seu relógio? Como é que… – começou Helena, dando asas a todas as dúvidas que a assaltavam.
– Esta casa foi o meu túmulo. Quis morrer com eles também. O relógio na parte da frente da casa, fui eu que o mandei fazer para assinalar o meu último momento de vida. A partir daquele momento nada mais vivi, apenas revivi. E neste relógio que trago junto a mim estão todas as horas da minha vida – explicou o Velho.
– Mas… você morreu, muitos anos depois de se fechar nesta casa… mas você está…? – inquiriu Helena perplexa.
– Eu só sei que morri naquele dia, naquele minuto… desde então os dias e horas são todos iguais… não tente compreender tudo, minha filha, eu próprio não sou capaz.
– Sabe porque é que eu estou aqui? – perguntou Helena, que se questionava há muito sobre o que lhe estava a acontecer.
– Porque chovia e você precisava de se abrigar – respondeu o Velho enquanto se agarrava ao corrimão para começar a subir as escadas.
Nesse momento, Helena desviou os olhos dele e viu o relógio, enorme, pousado no degrau, ao seu lado.
– O seu relógio…
O Velho olhou para trás a custo, fitou-a e sorriu.
– Eu estarei para sempre aprisionado nesta casa, refém do tempo que passou. Leve consigo o relógio, o guardião dos meus dias, horas e minutos e volte a dar-lhe vida através da magia das palavras.