Angola cosmopolita


Gosto desta diversidade de gente que se aventura por terras angolanas. Composta não apenas pelos que vivem no glamour das praias da ilha e dos fins de semana no Mussulo, nem pelos miseráveis chineses, mas também pelos que vivem nos musseques onde se ouve falar Francês, Inglês, Português e tantas línguas banto diferentes. É um fenómeno novo, um desafio de multiculturalidade.

Lembro-me bem da primeira vez que cá vim, em 2005, éramos meia duzia de estrangeiros. Quase tudo gente das ONGDs e afins. Uns quantos russos e cubanos dos tempos da guerra fria. As únicas excepções eram os angolanos de origem Portuguesa que nunca sairam daqui porque não conheciam outra pátria nem outra possibilidade de identidade. Muitos mandaram os filhos para Portugal, para serem criados por familiares e ficaram durante toda a guerra à espera de os poderem chamar e de tudo voltar a ser como antes.

Nada voltou a ser como antes, mas em 2005 já começavam a chegar os filhos desta gente brava. Chegavam também aqueles que tendo partido, nunca tinham ido embora. Começava-se a ver, aqui e ali, alguns orientais. Foram os primeiros a abrir pontos de acesso à internet. Mas para se ter uma ideia, em Agosto de 2005, quando tive de estender o meu visto, éramos 18 estrangeiros em toda a província do Huambo (agora devemos ser mais no prédio onde vivo).

Hoje somos milhões provavelmente. As ONGDs já foram quase todas embora. As empresas e os negócios crescem como cogumelos. Há hotéis de 5 estrelas, bares e esplanadas da moda que fariam furor em qualquer capital do mundo, restaurantes chics, com design na arquitectura e na comida. Sim, isto é sobretudo em Luanda mas o resto do país acompanha a tendência. A maioria dos estrangeiros, são agora empresários, quadros especializados de empresas, trabalhadores da construção civil, dos serviços, biscateiros. E são Portugueses, e Brasileiros e de outros outros países do mundo… atraídos para Angola como as traças para a luz.

Mas esta é apenas a camada mais visível do bolo, pelo menos para mim. A minha recente visita ao restaurante etíope permitiu-me espreitar outras camadas. Já me tinha apercebido em Cabinda e no Zaire que há um grande fluxo de imigrantes/refugiados vindos do Congo. Mas não tinha percebido a dimensão de nacionalidades africanas que coabitavam nos musseques e bairros populares, onde moram, afinal a maioria das pessoas.

Como é normal ora estamos numa zona bem da cidade, ora viramos uma esquina e estamos no bairro. Estavamos no Miramar e de repente, viramos para a rua do Centro Cultural Agostinho Neto e entramos no bairro operário (acho que se chama assim). Acabou o asfalto e começou a lama, as puxadas de electricidade cruzadas em todas as direcções, as casinhas pequenas, desbotadas e a precisar de obras, os portões que escondem pequenos bairros como as ilhas do Porto. Perguntamos pelo restaurante. Etiopes, não conhecemos!, disseram-nos.  Depois de algumas tentativas alguém nos respondeu em inglês e nos indicou o caminho. Tinhamos estado mesmo ao lado, há umas ruas atrás. Como era cedo, saimos do carros e fomos passear. Uma colega angolana queria comprar postiços para entrançar o cabelo e foi uma alegria para a vendedora termos regateado tudo em francês.

Até chegarmos ao restaurante devaneamos pelo bairro e deliciei-me a ouvir línguas diferentes, a ver vender coisas diferentes e a cheirar aromas diferentes. Os etíopes tinham dificuldade em falar Português. Estão a instalar-se. Já há mais 2 restaurantes etíopes em Luanda. Os angolanos vão experimentando timidamente mas a maioria dos clientes são estrangeiros que se aventuram pelo bairro. Mal conhecem a vizinhança. Têm a comunidade deles mais ou menos organizada para se apoiarem uns aos outros. Dos outros imigrantes do bairro, sabem pouco também. Vivem para trabalhar. Vão-se dando com alguns que falam inglês e vêm do leste de África, mas pouco.

Fiquei intrigada. Como é que num sítio onde as pessoas vivem umas em cima das outras, como é o caso destes bairros, e onde a vida se desenrola quase toda na rua e a privacidade é zero, coexiste a África inteira sem se conhecerem? Fiquei com uma vontade tramada de pegar numas pessoas que cá conheço e irmos filmar e conversar para os bairros mais cosmopolitas de Luanda.

Anúncios

2 Respostas

  1. vamos? gosto, gosto, parece que descobriste o rasto de uma coisa grande grande, daquelas que apetece mesmo desvendar ao sabor da conversa e do video…

  2. Bamos! como se diz na minha terra 😛 Primeiro deixa-me fazer mais um trabalhinho, depois assentar um bocadinho e ódespois vamos ver onde ha dinheiro para uma coisa linda assim.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: