VOLTA AO QUÉNIA EM 3 SEMANAS IV


MURINGA FARM, SUBUKIA
(RIFT VALLEY)

Depois de todos os imprevistos que se nos depararam na costa resolvemos regressar a Nairobi o mais rapidamente possível para reorganizar o resto da viagem. Optamos por viajar de noite para poupar tempo e recorremos à companhia de autocarros que nos foi recomendada como a mais confortável e eficiente. Partimos de Malindi sob o lusco-fusco das 7h da tarde e chegamos a Nairobi ao raiar do dia às 5 e tal da manhã. Pelo meio, uma viagem memorável, num autocarro que desafia todos os princípios ergonómicos e que ganha aos pontos à Ryanair no que respeita à falta de espaço entre os bancos. Viajamos basicamente ensanduichadas entre o banco de trás e o da frente, tipo dominó: se o banco da frente se reclina, temos de fazer o mesmo e por aí em diante até toda a fila estar reclinada. Tivemos direito a uma paragem para as autoridades inspeccionarem o autocarro em que fomos todos obrigados a sair para um parque, a meio da noite e ,em fila, dirigirmo-nos aos senhores guardas que muito ensonados e encostados à parede espreitavam as nossas carteiras e quando se sentiam menos cansados lá conseguiam revistar-nos. Depois mandavam-nos para o meio do parque em filas sem nos explicarem nada até que nos deixaram de novo seguir viagem. A Zimbie para variar dormiu o tempo todo e eu pobre de mim, de cada vez que acordava, quase que rezava para voltar a adormecer depressa de maneira a não me aperceber da velocidade alucinante do autocarro pelo meio de uma estrada sem luz e em muitos lugares sem alcatrão.
Mas adiante… falemos de Subukia. Estávamos nós à procura de um lodge simpático e económico no Lago Nakuru, quando um belo dia entramos num talho e vimos no balcão folhetos de um lugar muito interessante por preços ainda mais interessantes, perto do lago. É uma daquelas coisas inesperadas que fazem parte do meu dia-a-dia, uma pessoa entra no talho (que também é charcutaria e peixaria de congelados) para procurar ingredientes para cozinhar amêijoas a Bolhão Pato e Bacalhau com Natas (que não encontramos) e lá está… a Muringa Farm, a olhar para nós.
Foi uma espécie de recompensa dos deuses pelos trabalhos passados em Malindi. Telefonamos para o número do folheto, reservamos a viagem e ainda tivemos direito a boleia de ida e de volta, porque o Eric e a Astrid estavam em Nairobi. São os donos da quinta, duas pessoas maravilhosas que tivemos o privilégio de conhecer. Subukia é a concretização do sonho deles depois de anos em outros lugares de África, com ultima paragem no Gabão onde ela, veterinária, se ocupava de gorilas e ele de uma pequena pousada turística. Em Subukia, uma pequena localidade perto da cidade de Nakuru, em pleno Rift Valley, rodeada por um relevo de cortar a respiração e vales verde e férteis, encontraram a Muringa Farm, onde além da criação de vários animais e da agricultura, nomeadamente de algum café e produtos hortícolas resolveram construir um pequeno lodge com bandas (pequenas casas redondas tradicionais, cada uma com o seu painelzinho solar e tudo o que precisamos no interior para um belo descanso), uma sala de refeições e lazer na margem de um lago, onde a paisagem parece irreal e a gente quase que se tem de beliscar para ter a certeza de não estarmos a sonhar, o Charles, um chef que nos deleitou com as mais gourmet e deliciosas iguarias (apesar de o próprio Eric ter feito uma mousse de chocolate do outro mundo) e uma série de actividades à escolha, desde safaris ao lago Nakuru até passeios a cavalo, caminhadas de montanha e parapente.
Passamos lá uns belos dias, rodeadas de gente amável e interessante (não só os donos mas todo o staff da quinta) no meio da natureza e da tranquilidade. Gostei particularmente de ter de atravessar o pequeno trilho pela floresta (cheia de macacos ao fim do dia) para chegar à “sala de refeições” , sobretudo à noite guiadas pelas nossas lanternas a óleo e a evitar sermos atingidas por galhos e arbustos mais afoitos. É preciso registar que nem sempre fomos bem sucedidas. Uma das árvores dá uma curva interessante mesmo no meio do trilho e fica á altura das nossas testas. A primeira vítima foi a Zimbie, mas eu também não escapei e quando a árvore me atingiu, bateu-me com tanta força que eu caí literalmente de joelhos e fiquei a ver estrelas e sem me mexer uma data de tempo. Pequenos inconvenientes das florestas, nada de mais! Os passeios pela quinta e sobretudo à volta do lago também são fantásticos. O lago está rodeado de pássaros, flores, árvores… é um mundo.
O incidente mais insólito aconteceu quando um belo dia eu resolvo ir passear a cavalo depois do almoço enquanto a Zimbie resolve ficar recostada a fazer a digestão e a ler em frente ao lago. Note-se que já andei muitas vezes a cavalo, já fiz muitos passeios de horas e dias inteiros a cavalo, note-se ainda que havia um guia à minha frente e um tratador de cavalos no chão ao meu lado a segurar as rédeas enquanto eu desapertava o impermeável atado à cintura porque começava a chover. Note-se muito bem que o meu cavalo estava totalmente imobilizado e seguro pelo tratador, quando de repente, sem saber porquê o bicho resolve desaparecer-me de debaixo das pernas e correr para só voltar a ser visto muito mais tarde. Eu ainda fiz um belíssimo movimento de rodeo e braço no ar a tentar equilibrar-me, mas sem cavalo, a força da gravidade não perdoou e eu caí estatelada no chão. Não foi bonito! Ele era palha e ervas no cabelo, hematomas nas pernas e nos braços, dores na anca e no tornozelo, uma desgraça… e eu tremia como varas verdes. Mas quando a Zimbie me viu chegar neste estado e pedir gelo ao Charles para pôr na anca… não aguentamos de tanto rir. E descobri que é um bom remédio porque tirando uma nódoa negra feia numa perna não ficaram mais mazelas.
A partir da Muringa Farm fomos ao maravilhoso Parque Nacional do Lago Nakuru, mas essa história fica para mais tarde.

Advertisements

6 Respostas

  1. Mas que duas à solta ! Queremos um filme para acompanhar o relato. Será possível?Beijinhos e até breve

  2. Linda, o que nos rimos no fds passado com a história do cavalo Santos! 🙂 E teres sido tu a vítima (e não a nossa querida íman-de-acidentes-inexplicáveis Zimbie) é que é de espantar. Ainda bem que tudo acabou apenas com uma nódoa negra. 🙂

  3. Não tenho grande coisa a acrescentar a esta parte a não ser que andávamos à procura de ingredientes Tuga para fazer um jantar Thanksgiving para os nossos benfeitores de Malindi e Mombasa :)Ah, e que a AQ passou meia hora a tentar convencer-me a ir andar com ela de cavalo, e eu a dizer não muito docemente, que conheci os meus limites, e que não ia andar a "stretch my luck" ou “try my luck”, como lhe disse várias vezes :-)) Estava tudo a correr tão lindamente, não me tinha acontecido nada de extraordinário, porque havia eu de me por em cima de uma bicho enorme (lindo diga-se de passagem, que adoro cavalos e ficaram registados em muitas fotos!) quando não sei andar e não ia saber dominar a criatura??!! Nem com um guia a segurar-me as rédeas!! Nem com ela essa parte funcionou! Ela não conseguiu convencer-me e lá fui eu ler o meu livro e tirar fotos aos macaquinhos que enchiam as árvores em redor do nosso restaurante 🙂 Quando ela me aparece pouco menos de uma hora mais tarde, a mancar e dorida, explicou-me o que lhe tinha acontecido, fiquei a olhar para ela, e desatei à gargalhada, não consegui evitar 🙂 É o que fazem comigo quando me dá um dos meus ‘acidentes’!

  4. Gabriela, depois de tanta insistência tua sou finalmente seguidor do teu blog. E confesso que me dá muito prazer ir sabendo das tuas andanças e aventuras pelo Quénia. Principalmente quando são tão engraçadas como a tua queda do cavalo:)) O episódio é tão cómico e está tão bem descrito que conseguiste arrancar-me algumas risadas em plena Biblioteca Municipal de Matosinhos! Parabéns pela qualidade narrativa dos teus posts. Fiquei fã!Beijos e boas viagens.

  5. PS: esqueci de dizer que desatamos as DUAS à gargalhada, mas a tadinha da nossa AQ com mais dificuldade 🙂

  6. FernandaFilmes não temos 🙂 Só mesm o relatos e fotografias!SarinhaEstou a ver o vosso jantar, estou :)… e a nódoa negra já desapareceu.ZimbieTá tudo explicado :PFilipeBem-vindo! K bom ver-te por cá :)Beijinhos.Zimbie outra vezLOL eu ria-me enquanto ia segurando o gelo na anca… e mexia-me mt devagarinho! Pensando bem, eu apanhei um belo susto 🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: